domingo, setembro 30, 2012

A memória de peixe na cidade da Guarda ou "A falta de vergonha?"



Se as pessoas devem ter memória de peixe, digo-vos já que não! Não penso que  homens e mulheres que devem ter neurónios possam ter memória de peixe, mas que a têm, têm! Ou pelo menos, assim deve acontecer com pelo menos três das pessoas que constam nesta lista que apresento já de seguida:

1 - Presidente da Comissão Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios: Eng.º Joaquim Valente;
2 - Serviço Municipal de Protecção Civil: Jorge Granja de Sousa;
3 - Gabinete Técnico Florestal: Eng.ª Catarina Coimbra;
4 - Associação Humanitária Bombeiros Voluntários Egitanienses: Comandante Luís Santos;
5 - Associação Humanitária Bombeiros Voluntários de Gonçalo: Comandante Orlindo Cabeças;
6 - ICN – Parque Natural da Serra da Estrela: Eng.º Jorge Coimbra;
7 - Policia Segurança Publica: Subintendente José do Nascimento Salvado Lopes;
8 - Guarda Nacional Republicana: Cabo-chefe Manuel Batista;
9 - Assembleia Municipal: António Fontes;
10 - Associação de Produtores Florestais de Fernão Joanes: Daniel Vendeiro;
11 - Associação de Produtores Florestais do Alto Côa: Eng. Técnico João Ribeiro.

As pessoas identificadas com os números 1, 9 e 10 são pessoas que pertencem (pelos menos) à Assembleia Municipal da Guarda (AM) há pelo menos 7 (sete) anos. Ora bem, o episódio que aqui trago tem 6 (seis) anos, daí eu pensar que, provavelmente, estes três senhores sabiam bem daquilo que falavam. Se consultarem a acta da Comissão Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (CMDFCI) do dia 28 de Agosto de 2006, irão, a determinado passo, encontrar as imagens e as palavras que mostro no início deste texto e confirmarão que todos os nomes que refiro acima são membros desta tal Comissão. Pois bem, o incrível está aqui! Como podem ler, a determinado momento é feita, de uma forma honrada e nobre, a seguinte sugestão: "que a Comissão proponha à Assembleia Municipal a atribuição da Medalha da Cidade a título póstumo, ao jovem bombeiro Sérgio Costa e aos cinco sapadores chilenos" e acrescenta a acta "tendo sido esta ideia aprovada por todos os presentes." Tirando o facto de haver por ali um erro grosseiro no nome do meu irmão, que é Rocha e não "Costa", como o presidente da Junta de Famalicão ou o Presidente da Junta de Fernão Joanes, com assento nesta Comissão, poderiam ter confirmado, a acção ou o palavreado destes elementos foi meritória dos melhores elogios. Mas, afinal, tratava-se mesmo de palavreado! Como se processa a proposta ou a sugestão à AM, não o sei! Mas acredito que nem eles, pois em nenhuma AM desde a realizada no dia 31 de Outubro de 2006 até à última realizada no dia 30 de Abril de 2012 (refiro-me, como é óbvio, às actas disponibilizadas no site da Câmara Municipal da Guarda neste mesmo dia 30 de Setembro de 2012). Já nem me refiro ao facto de nem sequer ter havido, por parte de todos os "ilustres" deputados com assento na AM, uma única menção, fosse em jeito de lamento ou de louvor pelos que partiram, ao sucedido no incêndio de Famalicão (no dia 9 de Julho de 2006). Será que as suas vidas ocupadas não lhes permitiram contactar com uma das notícias mais "marteladas" nos jornais da cidade ou nos noticiários nacionais? 
Enfim, desvio-me do foco do meu lamento. Nem o Eng.º Valente (que não me parece que tenha faltado a alguma dessas reuniões de Assembleia), nem os presidentes António Fontes e Daniel Vendeiro se lembraram daquilo que tinham proposto na reunião da CMDFCI? Peixes, senhor, serão peixes? Ou terão somente a, já lendária, memória de peixe?
Talvez alguém me possa dizer o que terá acontecido, mas eu desconfio de que esta gente deixou de se fiar nas suas próprias palavras! E aquilo que defendeu ontem não é o que defende hoje, quanto mais amanhã ou nos próximos dias. Com um bocadinho de sorte, talvez consigam lembrar-se daquilo que um disseram ou julgaram dizer! Mas que está escrito está!
Deixem-me quase acabar com uma frase que poderá servir de provérbio no futuro: "Eu não acredito em nada daquilo que alguns ditos políticos escrevem, mas que está escrito está!"
Espero, sinceramente, ter respostas a este meu lamento. Nem que seja só para me esclarecerem! Daí agradecer a quem me lê que partilhe esta questão!
Enviar um comentário